A comunicação no meu negócio

As pessoas podem estar cansadas de me ouvirem falando, mas eu continuo falando. Eu acho o máximo o empreendedorismo materno, acho demais todo esse movimento que acontece após o nascimento dos filhos e que leva muitas mães a se descobrirem grandes mulheres de negócios. É tanta criatividade, tanta competência, que eu fico maravilhada.

E eu tenho pra mim que uma coisa puxa a outra, quando você está trabalhando por um propósito maior (que em muitos casos é o poder estar mais próximo dos filhos) você trabalha com mais vontade, com mais paixão e a consequência disso é a excelência, é um ótimo trabalho.

Influenciada por todo esse meu fascínio pelo empreendedorismo materno eu criei a Vitrine Mommys , uma plataforma totalmente voltada para as mães empreendedoras. A Vitrine, hoje, dá visibilidade para as mães, lá elas podem divulgar seus produtos, serviços, contatos, por um valor de assinatura muito acessível.

Mas a ideia da Vitrine vai além, a ideia é apoiar, capacitar e dar suporte para as mães empreendedoras. Enquanto isso não acontece dentro da própria plataforma, vamos fazendo de acordo com os recursos e canais que temos disponíveis.

E é por isso que a Vitrine Mommys está promovendo uma série muito legal no Mommys TV.

A Vivi Zagnoli é uma profissional muito competente, com muita experiência na área de comunicação. Mas eu sei, por experiência própria, como às vezes é difícil para nós, pequenas empreendedoras, fazer um investimento, mesmo em algo que a gente quer e acredita muito.

E foi pensando nisso que eu pedi pra Vivi dar essa canja pra gente. Dividir a experiência prática dela, em vídeos com assuntos que sempre nos rondam e nessa era digital são primordiais.

Fiquem ligadas porque o conteúdo está muito maravilhoso. Tenho certeza que vai ser muito útil para todas!

Aposentadoria é logo ali!

Quero começar este texto com uma pergunta:

Você já se programou para a aposentadoria?

No Brasil, temos muitas pessoas preocupadas com a aposentadoria e poucas pessoas se preparando para ela…

Para se ter uma ideia, em Minas Gerais, temos uma população de mais de 21 milhões de pessoas, 12% deste total é considerado idoso (acima de 60 anos).

Em 2030, em Minas Gerais, a população idosa será de, aproximadamente, 18% da população. Em 2050, aproximadamente, 30% da população, que nos números atuais, seriam mais de 6 milhões de pessoas. E nós estamos nestas estatísticas!

A tendência mostra que, a partir de 2040, a população brasileira poderá diminuir. Como base desta informação, vem a taxa de filhos por mulheres. Em 1940, cada mulher tinha, em média, 6 filhos, 4,35 filhos em 1980, 2,39 filhos em 2000 e 1,74 filhos em 2014.

Tem também a expectativa de vida, onde os brasileiros tinham uma expectativa de vida em 1940 de 45,5 anos e, em 2015, essa expectativa pula para 75,5 anos, em média.

Em um futuro próximo, serão mais pessoas utilizando os recursos da previdência privada, usando mais recursos médicos, precisando cada vez mais de auxílio em mobilidade, etc. E é notória a necessidade de melhorias nestes setores para a população idosa.

Quando pensamos em aposentadoria, pensamos sempre na previdência, que são valores gerados da contribuição dos trabalhadores para o INSS (Instituto Nacional do Serviço Social), órgão regulador da previdência social.

A previdência oferece um retorno muito baixo para os trabalhadores na sua aposentadoria, de tal forma que o estilo de vida cai muito em relação ao período de atividade profissional.

Hoje, o teto da previdência é de R$5.531,31. Para isso, os trabalhadores, formais ou informais, precisam contribuir, mensalmente, o equivalente a 20% deste valor (R$1.106,26) e, pelo menos, 80% das contribuições ao longo da vida deve corresponder a este percentual. Outro exemplo, quem contribui com 20% do salário mínimo, R$374,80, receberá dois salários mínimos R$1.874,00.

Um perigo citado por alguns especialistas é que, com a população mais idosa, teremos um déficit nos cofres públicos (se é que precisa da população envelhecer para este déficit) e outros defendem que o Brasil não terá este problema para a previdência, em função do alto número de trabalhadores que contribuem com o INSS. Dessa forma, o Brasil terá o dinheiro para pagar a previdência de acordo com cada contribuição dos aposentados.

Porém, vivemos de forma cíclica com crises econômicas e políticas (e estamos dando passos lentos para a saída da maior crise econômica e política do país), com perdas de emprego. Com isso, a maioria da população exerce uma atividade econômica com trabalhos informais e sem contribuir com a previdência social, causando um elevado gasto público.

De qualquer forma é importante nos planejarmos para termos outra fonte de renda na aposentadoria. Temos diversas opções de investimentos com rentabilidades interessantes para usufruirmos no futuro.

Quando se pensa em investimento, guardar dinheiro, logo vem a poupança na cabeça. A poupança que é uma das formas mais seguras para se investir.

Porém, a poupança nem sempre proporciona ganhos financeiros. Pode ocorrer, como no auge desta crise, o dinheiro perder valor.

Neste texto, quis mostrar o quão crítico é chegarmos na nossa aposentadoria sem estarmos preparados. A previdência privada, sozinha, não irá nos auxiliar neste período.

Não trabalhamos tanto para chegar na fase idosa e passar dificuldades, para sofrer. Precisamos aproveitar a vida. Termos condições de comprar nossos remédios, de realizar nossas viagens, de podermos ter uma casa para receber nossos netos, de podermos ir naquele melhor restaurante, de podermos nos oferecer um momento de tranquilidade.

No próximo texto irei citar alguns investimentos para quem não gosta de correr riscos.

Fiquem atentos!

Um forte abraço!!!!

TDAH – Todos os detalhes que você queria saber

Por Fernanda Mara Fagundes Leite

Fonoaudióloga e Psicopedagoga.
Tel: 9 91446513

 

DEFINIÇÃO DIAGNÓSTICA

 O Transtorno do Déficit de Atenção/Hiperatividade (TDAH) é um transtorno neurobiológico que pode aparecer na infância e freqüentemente acompanhará o indivíduo por toda a sua vida. Caracteriza-se por sintomas de desatenção, inquietude e impulsividade.

O TDAH é o trantorno infantil mais comum, levando a um prejuízo social e/ou escolar. Para a realização do diagnóstico diferencial os sintomas devem estar presentes antes dos sete anos de idade e persistir por mais de seis meses. É uma condição crônica e que pode permanecer até a vida adulta. A prevalência mundial fica em torno de 5,29%.

Os achados científicos têm indicado claramente a presença da disfunção em uma área do cérebro conhecida como região orbital frontal. Essa região é situada na região frontal do cérebro e é uma das mais desenvolvidas em seres humanos comparando com outros animais, sendo a responsável pela inibição do comportamento, pela atenção sustentada, pelo autocontrole e pelo planejamento para o futuro.

Dentre os possíveis fatores causadores do TDAH, pode-se citar:

– Hereditariedade: a contribuição genética para o TDAH é elevada.

– Substâncias ingeridas na gravidez: a nicotina e o álcool, quando ingeridos durante a gravidez, podem causar alterações em algumas partes do cérebro do bebê.

– Exposição a chumbo: altos níveis de chumbo em crianças pequenas podem estar associados com maior risco para TDAH.

– Problemas familiares: sejam problemas familiares, tais como discórdia conjugal, família com apenas um dos pais, funcionamento familiar caótico e famílias com nível socioeconômico mais baixo e questões subjetivas da criança. A desatenção e a impulsividade presentes nos sujeitos diagnosticados com TDAH, do ponto de vista Psicológico, podem ser reflexo das inquietações subjetivas vivenciadas por esses. Isto é, os sintomas em questão são tomados enquanto índices de sofrimento psíquico, que demandam tratamento para seu apaziguamento.

O TDAH é classificado pelo DSM-IV (DSM-IV ou Classificação Internacional de Doenças – CID) em três subtipos: predominantemente hiperativo, predominantemente desatento e combinado. O subtipo predominantemente hiperativo apresenta excessiva atividade motora e impulsividade de respostas. O subtipo predominantemente desatento apresenta dificuldade em sustentar atenção, distratibilidade, desorganização e dificuldade na execução de tarefas de persistência. O subtipo combinado exibe comportamentos inadequados em ambas as direções. Segundo os critérios do DSM-IV, é necessário observar a presença de seis ou mais sintomas de desatenção ou hiperatividade/impulsividade, persistindo por pelo menos seis meses, em grau mal-adaptativo e inconsistente com o nível de desenvolvimento da criança.

Crianças que apresentam o TDAH podem possuir comorbidades associadas, dentre os quais pode-se citar:

Transtorno Específico de Leitura (Dislexia do Desenvolvimento): as alterações nos mecanismos de atenção, na linguagem, na nomeação de tempo e espaço, na memória e nas funções executivas podem causar dificuldades na aprendizagem da leitura.

Transtorno da Expressão escrita (Disgrafia): caracteriza-se pelo lento traçado das letras, em geral são ilegíveis, apresentação desordenada do texto, margens mal feitas ou inexistentes, espaço irregular entre palavras, linha e entrelinhas, traçado de má qualidade, distorção de formas e separação inadequada de letras.

Transtorno da Matemática (Discalculia do Desenvolvimento): ela se caracteriza por uma falha na aquisição da capacidade e na habilidade de lidar com conceitos e símbolos matemáticos. Basicamente, a dificuldade está no reconhecimento do número e do raciocínio matemático.

Transtorno do Desenvolvimento de Coordenação (TDC): o mau desempenho na performance motora é uma das freqüentes comorbidades que ocorrem em crianças com TDAH. Tal dificuldade tem grande impacto para as atividades de vida diária.

Transtorno Desafiador de Oposição (TDO): é caracterizado por um padrão global de desobediência, desafio e comportamento hostil. Os pacientes discutem excessivamente com adultos, não aceitam responsabilidade por sua má conduta, incomodam deliberadamente os demais, possuem dificuldade em aceitar regras e perdem facilmente o controle se as coisas não seguem a forma que eles desejam.

Avaliação do TDAH

 O objetivo da avaliação diagnóstica do TDAH é determinar a extensão na qual os problemas de atenção e hiperatividade estão interferindo nas habilidades acadêmicas, afetivas e sociais da criança, e na criação e no desenvolvimento de um plano de intervenção apropriado. O diagnóstico de TDAH é fundamentalmente clínico.

As avaliações complementares são fundamentais para o TDAH. A Avaliação Psicopedagógica e Fonoaudiológica tem um papel importante no diagnóstico de uma criança ou adolescente com TDAH, visto que a avaliação cuidadosa de uma criança com suspeita de TDAH é necessária frente à popularização das informações, nem sempre claras para a população em geral, e, principalmente, no meio pedagógico. O desconhecimento ou pouco conhecimento sobre a patologia gera dificuldades, uma vez que crianças, adolescentes e pessoas adultas podem receber, equivocadamente, o rótulo de TDAH, assim como muitos indivíduos com essa patologia podem passar despercebidos e ficar sem tratamento.

Existem escalas que descrevem os sintomas de atenção, hiperatividade e impulsividade e medem de forma objetiva sua intensidade de acordo com a opinião dos pais e professores, bem como a realização de um exame chamado Potencial Evocado Auditivo (P300). Deve-se salientar que estas são ferramentas que auxiliam o médico a chegar a uma conclusão.

Logo conclui-se que a observação clínica, as avaliações complementares (Fonoaudiológica, Psicopedagógica e Psicológica) e os exames objetivos devem se complementar para um correto fechamento diagnóstico de TDAH.

 Estratégias de intervenção

Os resultados em relação ao tratamento com psicoestimulantes, especialmente o metilfenidato, e a melhora do prognóstico educacional a longo prazo ainda se postam como assunto controverso na literatura! Grande número das pesquisas sobre tratamento medicamentoso realizadas até então mostraram melhora dos sintomas comportamentais e aumento da produtividade acadêmica, mas não a superação dos problemas educacionais.

Com relação a intervenções comportamentais, pesquisas demonstram que essas são eficazes na redução dos sintomas de TDAH e na melhora da interação entre pais e filhos. O TDAH necessita do esforço conjunto, incluindo a própria criança, os pais e uma equipe multidisciplinar (Psicólogo, Professor, Psicopedagogo, Fonoaudiólogo, Médico), como também de uma combinação de alguns tipos de intervenção.

Quatro tipos de tratamento do TDAH têm sido mais empregados: Farmacológico, Terapia Psicológica, Terapia Fonoaudiológica e Psicopedagógica, mas principalmente a combinação das terapias é o mais indicado!

A Intevenção Psicopedagógica e Fonoaudiológica visa criar condições para que o paciente retenha a sua atenção e concentração durante suas atividades, assim como estímulo para organizar-se.

O Acompanhamento Psicológico dos portadores de TDAH se faz necessário, pois possibilita que cada sujeito elabore singularmente as questões subjetivas que estão na base dos sintomas tanto do Deficit de Atenção quanto da inquietude. Assim, tanto por meio da fala, o sujeito circunscreverá algo do seu mal-estar, acarretando numa mudança de posição e no apaziguamento dos comportamentos de desatanção e de agitação.

No ambiente clínico uma possibulidade de intervenção envolve o jogo com regras, brincadeiras de representação (psicodrama), trabalho com materiais tranquilizantes, atividades corporais-cinestésicas, uso de sucatas e tomadas de decisões. As técnicas psicopedagógicas mais utilizadas são os jogos de exercícios sensórios-motores, como a amarelinha, bola de gude ou de bolas, ou de combinações intelectuais, como damas, xadrez, carta, memória, quebra-cabeça, etc. O Psicopedagogo e o Fonoaudiólogo devem trabalhar suas dificuldades (falta de atenção/concentração, impulsividade, hiperatividade) e suas questões emocionais relacinadas à aprendizagem (baixa auto-estima, baixa tolerância à frustração, ansiedade, entre outros), através dos jogos, trabalhos de leitura e escrita, trabalhos manuais e atividades lúdicas, sem deixar abandonar os hábitos associados à atenção, organização da rotina, execução e persistências nas tarefas, podendo isso ser estendido às lições em sala de aula.

O TDAH não é um problema de aprendizado, mas as dificuldades em manter a atenção, a desorganização e a inquietude atrapalham bastante o rendimento dos estudos. É necessário que os professores conheçam técnicas que auxiliem os alunos com TDAH a ter melhor desempenho.

Com relação às intervenções pedagógicas, isoladamente o TDAH não é elegível para a educação especial. Grande parte dos estudantes com TDAH freqüenta escola regular. Na maioria dos casos, é necessário o uso de acomodações/adaptações (descrita em leis que protegem os portadores de TDAH) como assentos preferenciais, instrução modificada, número reduzido de alunos em sala de aula, tempo maior ou modificações ambientais para a realização de testes.

Os professores deveriam ser orientados para a necessidade de uma sala de aula bem estruturada, rotinas diárias consistentes e ambientes escolares previsíveis ajudam essas crianças a manter o controle emocional. Estratégias de ensino ativo, que incorporem a atividade física com o processo de aprendizagem, são fundamentais. As tarefas propostas não devem ser demasiadamente longas e necessitam ser explicadas passo a passo. É importante que o aluno com TDAH receba o máximo possível de atendimento individualizado. Ele deve ser colocado na primeira fila da sala de aula, próximo à professora e longe da janela, ou seja, em local onde ele tenha menor probabilidade de distrair-se. Muitas vezes, crianças com TDAH precisam de reforço de conteúdo em determinadas disciplinas. Isso acontece porque elas já apresentam lacunas no aprendizado no momento do diagnóstico, em função do TDAH. Outras vezes, é necessário um Acompanhamento Escolar extra escola visando auxiliar na fixação e reforço do que a criança aprendeu em sala de aula.

Conclui-se que é necessário que se realize um diagnóstico diferencial criterioso, buscando entender a dinâmica dos sintomas e o funcionamento do paciente, assim como contextualizar sua conduta numa perpectiva do desenvolvimento da criança.

A adequação da criança à sua própria realidade, a ampliação das possibilidades de aprendizagem e conhecimento é um dos objetivos do trabalho multidisciplinar, cabendo-lhes também um trabalho de orientação e reflexão com os pais e professores da criança portadora de TDAH.

Mommys na estrada – Disney II

Vamos continuar nossa viagem para o lugar mais feliz do mundo… A Disney

Gostaria primeiramente de contar uma notícia que fiquei sabendo depois da primeira postagem… a cia aérea Azul voltará com a rota de Belo Horizonte para Orlando direto. Uma excelente opção principalmente pra viajar com as crianças!

Montando seu roteiro

Depois de resolvida a data, compradas as passagens e os ingressos dos parques, agora começa a fase do planejamento em si. Não tem como seguir um roteiro fechado, pois cada caso é um caso. Depende da quantidade de dias, verba da viagem e estilo da família. Mas existem regrinhas básicas que podem ajudar:

  • Não marque nenhum compromisso para os dias de chegada e saída, nunca se sabe quanto tempo gastará na imigração, pegar ou entregar o carro na locadora e qualquer outro imprevisto que possa surgir. Separe esses dias para reconhecimento e despedida.
  • Se possível, não vá aos parques nos finais de semana, sempre ficam mais cheios. Separe esses dias para as compras.
  • Deixe alguns dias de “folga”, o batidão dos parques é bem pesado e acho necessário um descanso entre eles. Pode ser um mergulho na piscina do hotel, uma tarde de sono ou mesmo outro passeio diferente, Orlando é uma cidade que tem muitas atrações além dos parques. Se sobrar tempo vale um passeio à praia (sugiro Clearwater ou Anna Maria Island), um piquenique no campo dentre vários outros.
  • Pesquise o que tem perto do seu hotel, isso poupa tempo e gasolina em sua viagem. Coloque o endereço no Google Maps e trace rotas até os destinos que vai seguir, procure por supermercados e restaurantes próximos e veja as melhores rotas pra chegar a cada local desviando de pedágios e de congestionamentos.
  • Deem uma olhada nos calendários de lotação. São calendários desenvolvidos para saber o quão cheio o parque ficará naquele exato dia do ano. Obviamente é uma estimativa, mas acho válido se quiser desviar dos feriados, férias ou alguma outra razão que leve a cidade a ficar mais cheia.
  • Não tente “gabaritar” a cidade em sua primeira visita. Não tem como fazer tudo em uma só viagem, nem ficando um mês por lá. Tenha foco e objetivo e priorize o que te deixará mais feliz. Orlando é uma cidade para se visitar várias vezes e ainda sim se surpreender!
  • Assim que comprados os ingressos, faça as reservas dos restaurantes que desejam conhecer, algumas refeições com personagens devem ser agendadas com 180 dias de antecedência. Isso vale também para certas experiências e passeios Vips. Na Disney você pode fazer refeição com as princesas (no castelo da Cinderela, por exemplo), com o Mickey e sua turma, ursinho Pooh dentre outros. Na universal tem almoço com os Minnions, Dora Aventureira e Bob Esponja. Outra experiência que deve ser agendada com antecedência é o Bibbidi Bobbidi Boutique que é a transformação da menina em princesa. As princesinhas vão até um salão de beleza dentro do castelo da Cinderela fazem unha, cabelo e maquiagem e trocam a roupa de acordo com a princesa favorita. Existem vários pacotes de preços, dependem da fantasia escolhida, mas, como tudo dentro da Disney é mais caro, aí vai uma dica: compre a roupa antes (Walmart, Amazon, etc) e leve no dia da experiência. Eles não fazem objeção e seu pacote acaba ficando bem mais barato. Para os meninos, tem a transformação em pirata, bem bacana também!
  • Para agendar qualquer coisa nos parques é necessário baixar os aplicativos. O da Disney chama My Disney Experience (MDE) e nele contém todas as informações da sua viagem. O da Universal chama Universal Orlando Resort App e tem também o da rede Sea World. Todos eles mostram tempo de espera das filas, horário dos shows e opções de agendamento.
  • Não se esqueça de fazer cadastro nos sites dos shoppings e outlets para gerar cupons de desconto, eles fazem grande diferença e é super comum seu uso por lá. Sempre bom!
  • Nunca viaje sem seguro. Faça cotação e busque o melhor para sua família, mas em hipótese alguma deixe de fazer, nunca se sabe o que pode acontecer.
  • Alugue carro aqui do Brasil. Além do valor pago ser em real, você pode escolher com tranquilidade os itens opcionais: GPS, seguros extras, Sun Pass (aquele adesivo que já inclui o valor dos pedágios e você pega fila especial), cadeirinha infantil, etc. Quando chegar ao guichê da locadora com todos os serviços contratados não precisará passar pela abordagem (muitas vezes bem insistente) dos vendedores te empurrando mil adicionais.
MDE

Cada parque tem sua particularidade, a começar pela compra dos ingressos. Em Orlando os ingressos são vendidos por dia e não por parque, explico, você compra ingresso de 5 dias e escolhe qual parque quer visitar. Pode ir os 5 dias no mesmo parque ou mudar todos os dias. Escolha seu tipo ideal dependendo de seu planejamento:

O ingresso da Disney é válido por 14 dias a partir do primeiro uso e pode ter três opções: Magic your way que consiste em escolher apenas um parque por dia, não podendo mudar de um para outro, entretanto você pode sair e voltar no mesmo parque no mesmo dia. Park Hopper (custo adicional) no qual pode ir a mais de um parque no mesmo dia. Park Hopper Plus (custo adicional) que inclui os parques aquáticos. Existem dois modelos de ingresso, o cartão magnético, no qual você compra aqui no Brasil o voucher e troca lá nos parques pelo cartão e a Magic Band, que é uma pulseira que você pode comprar e linkar seu voucher ou ganhar caso fique hospedado em algum hotel Disney. Em ambos os casos, o ingresso é pessoal e intransferível, eles fazem o cadastro de sua digital e só você pode usá-lo.  A Disney tem um benefício de “fura fila” gratuito chamado Fast Pass no qual você agenda três atrações por dia, por parque que deseja conhecer (geralmente as mais concorridas) e marca um horário pra brincar pegando uma fila menor. Para agendar o FP é necessário ter o cadastro no MDE. A Disney possui shows noturnos lindíssimos em todos os parques. Vale à pena esperar por eles mesmo que o cansaço possa estar batendo. Checar horário no MDE ou pegar o Time Guide na entrada do parque.

Ingresso Disney

Os ingressos da Universal são válidos por 7 dias a partir do primeiro uso. Tem opção single park admission onde você só pode visitar um parque por dia ou park-to-park admission que pode visitar ambos no mesmo dia. No caso da Universal, você pode levar o voucher e trocar pelo ingresso na porta ou imprimir o código de barra em casa mesmo e ir direto pra fila.

Nos parques do grupo Sea World, os ingressos são válidos por 14 dias a partir do primeiro uso, pode levar o voucher e trocar pelo ingresso na porta ou imprimir o código de barra em casa mesmo e ir direto pra fila. A única exceção é o Aquática, que possui ingresso diferenciado e quando é adquirido dá direito a outros parques gratuitos. Checar mais informações no site.

Nos parques da Lego é necessário agendar o dia de sua visita, pode levar o voucher e trocar pelo ingresso na porta ou imprimir o código de barra em casa mesmo e ir direto pra fila. Existe ingresso de apenas um parque e outro para os dois.

Além dos parques sugiro conhecer o complexo I-Drive 360 onde fica a roda gigante da Coca-Cola Orlando Eye. Ela é linda e tem uma vista deslumbrante da cidade. Nesse complexo tem também o museu de cera Madame Tussauds e o SeaLife Aquarium além de restaurantes e lojas. Se ainda sobrar um tempinho e algum fôlego, sugiro também, assistir a um jogo de basquete ou futebol nas maravilhosas arenas da cidade. Veja se o calendário dos jogos coincide com sua viagem.

Coca-Cola Orlando Eye

Bom, por hoje é só! No nosso último post falaremos sobre alimentação e a parte prática de viajar para Orlando. Beijos!

Quer ser rico ou quer ser feliz?

 

CALMA!!!!!!!

Não estou falando que os dois não podem andar juntos, aliás podem e devem andar juntos.

Podemos unir um caminho de felicidade ao mesmo tempo que buscamos a riqueza. O planejamento financeiro vem mostrar um caminho de como lidar com o dinheiro. Esse plano pode proporcionar uma família mais rica e com menos problemas ao longo da vida, resumindo, um futuro financeiramente estável e seguro.

Fiquem atentos, chegar neste patamar não é fácil. Pode ser que tenham que passar por grandes dificuldades para chegar no nível ótimo de vida, ou seja, sempre terá dúvidas, frustrações, algumas perdas, várias revisões do planejamento. Porém, reforço a importância de todos da família estarem trabalhando para o mesmo objetivo!

Parece uma excelente ideia para quem tem um orçamento que, ao final do mês, possa juntar dinheiro para investir, pois este pensamento não está correto. Mesmo aquelas famílias que dispões de tempo e recursos limitados podem também serem ricas e felizes, claro que será com mais esforço para o alcance dos objetivos.

Quem possui um orçamento contado, peço encarecidamente não desanimar. Sei que, dessa forma, a luta é para fechar as contas. Neste caso, o planejamento pode mostrar onde, de repente, possa existir gastos que podem ser cortados. Com este planejamento trace um plano de ação e o coloque em prática na medida do possível. Talvez não consiga uma independência financeira dentro de um prazo razoável, porém, não desista ou desanime.

O planejamento servirá para que não passe dificuldades com contas básicas como moradia, alimentação e educação. Caso a aplicação financeira acumulada não dê oportunidade de viver dos rendimentos, ao menos, permitirá realizar alguns sonhos e objetivos, como um próprio negócio e trabalhar com o que gosta.

Na nossa rotina diária estamos sujeitos a riscos e, caso aconteça algo não programado, vocês serão forçados a utilizar grande parte dos recursos investidos. Também para estas situações o compromisso com o planejamento deve ser bem disciplinado. Assim, os efeitos não podem ser evitáveis, porém, minimizados.

Abaixo alguns exemplos de riscos:

  • Mesmo tendo convênios ou planos de saúde, estamos sujeitos a doenças graves e a acidentes;
  • Mesmo com investimento em segurança, não estamos completamente imunes em relação às ações externas. Podem minimizar roubos e assaltos;
  • Mesmo que tenha um fundo de reserva para a troca do carro, pode ser que aconteça um problema mecânico com o atual e seja preciso boa parte deste fundo para consertá-lo;
  • Mesmo que tenhamos ótimas casas, não estamos imunes a desastres naturais, o que pode acarretar a perda do patrimônio.

Abaixo, segue uma lista de 10 passos para equilibrar as finanças e multiplicar o dinheiro:

  1. Negociação de dívidas;
  2. Eliminação de dívidas não programadas;
  3. Fortalecimento do crédito;
  4. Formação de uma reserva financeira;
  5. Melhorar a qualidade do consumo (Consumo consciente);
  6. Planejamento para uma aposentadoria tranquila;
  7. Poupar todo mês para objetivos de curto e médio prazos;
  8. Sempre pesquisar/estudar sobre investimento;
  9. Envolvimento com o mercado de investimentos;
  10. Administração financeira, achar o ponto de equilíbrio.

 

O mais importante é que todos tenham em casa conversas frequentes sobre a situação financeira, objetivos financeiros, metas e planos, já que, para qualquer caminho que formos seguir, precisamos de apoio e a família é a base de apoio para todos nós.

A felicidade não depende do emprego, do investimento, em não ter dívidas, a felicidade depende única e exclusivamente de você. O futuro está em suas mãos!!!!!!

No próximo texto falaremos sobre investimentos!!!

Um forte abraço,

O amor é sempre a resposta

Essa semana é a mais colorida do ano, afinal comemoramos o dia daquelas pessoinhas que colorem nossas vidas: as crianças, que são a verdadeira expressão do amor de Deus aqui na terra. Mas nesse ano, essa semana está um pouco turva, afinal de contas perdemos lindas crianças decorrentes da terrível tragédia em Janaúba. Impossível não ficar abalada, perplexa e machucada com tamanha crueldade. Eram apenas lindas crianças, no auge de sua doce inocência, brincando na escola. Mas como assim? Por que isso?

A Palavra de Deus nos fala: “ai daquele que fizer mal aos pequenininhos, afinal é deles o reino de céu.” A Palavra ainda nos fala que é preferível se matar do que fazer mal a elas.

Fatos assim deixam grandes feridas não só nos familiares e amigos mais próximos, mas também em toda sociedade que empaticamente se coloca no lugar daqueles que perderam seus amados… É muito sofrimento, difícil até de mensurar, só sei que deve dilacerar a alma.

Mas e Deus nisso tudo? Onde Ele estava que permitiu tudo isso acontecer? Ainda mais com crianças? Será que Ele realmente existe?

A verdade é que nascemos livres, mas acorrentados e reféns do pecado que vem desde a nossa criação com Adão e Eva. Ao longo de nossa vida, aprendemos a  fazer escolhas e temos acesso ao tal “livre arbítrio” que muitas vezes nos levam para um caminho trágico, como consequência dessas escolhas.

Será que existe alguma dúvida que o senhor que cometeu tamanha crueldade àquelas criançinhas era doente mental? Creio que não há nenhuma dúvida nisso, até porque ele estava impossibilitado de trabalhar por estar doente.

A má notícia, infelizmente, é que assim como aquele senhor, existem muitos “doentes soltos e escondidos” por aí. Não precisamos viajar no tempo para perceber isso… Na semana anterior, um atirador matou dezenas de pessoas em Las Vegas sem um motivo aparente, somente pelo desejo incontrolável de matar causando assim muita dor, revolta, sofrimento, danos e perdas irreparáveis.

A sociedade padece porque ela está doente e muitos poderiam, em algum momento, ter sido curado dessa doença se tivessem feito um escolha: Jesus Cristo. Porque só existe esse caminho e não há outro: “Jesus é o caminho, a verdade e a vida”. Ele tem todo poder para curar, transformar e libertar. Mas é necessário, em algum momento, fazer essa escolha. E ela é individual, ninguém escolhe por ninguém; cada um faz a sua e arca com suas consequências.

Não banalizo a importância de tratamentos psiquiátricos e psicológicos, (inclusive sou psicóloga e faço terapia) pois são recursos necessários para o cuidado da saúde da alma e da mente. Somos feitas de corpo, alma e espírito e tudo isso precisa estar em sintonia e alimentado para que nossa mente esteja plena e saudável. Mas na verdade, quero dar ênfase à parte espiritual.

Aquele senhor já estava morto espiritualmente, antes mesmo de matar e morrer fisicamente. Porque lá atrás, em algum momento, ele fez a escolha de não cuidar desse conjunto: corpo, alma e espírito. E infelizmente essa escolha o levou para o caminho da morte e consigo, foi arrastando várias vidas inocentes. E é assim, a consequência do pecado é a morte, sempre!

O mundo precisa de mais amor, muito mais amor! As vezes as pessoas me falam: “nossa, você só fala de Deus.” E sabem qual conclusão que cheguei? Que eu falo pouco! Que você fala pouco! Que todas nós falamos muito pouco de Deus! Precisamos falar mais! Porque quando falamos de Deus, falamos de amor, porque Ele é amor. Porque Ele nos amou primeiro e por isso aprendemos a amar; porque Ele nos amou tanto que entregou seu filho para que tivéssemos vida eterna; porque simplesmente Ele é amor e nos ama.

Quando aprendemos a amar: a Deus, ao outro e a nós mesmas, não conseguimos fazer outra escolha que não seja seguir os mandamentos Dele, onde inclusive, é proibido matar… Seja criança, jovem, adulto ou idoso.

Não tenha medo de falar que Jesus é amor, não tenha medo de falar com uma pessoa doente na alma que Jesus a ama e que Ele pode e quer curar a vida dela. Não deixe de mostrar para o mundo que o amor sempre vence tudo, porque se o amor é sempre a resposta, na verdade Deus é sempre a única resposta.

Desejo do fundo do coração, que dias melhores cheguem com a promessa de que existe tempo para todas as coisas debaixo do céu. Tempo de chorar e tempo de se alegrar; tempo de nascer e tempo de morrer; tempo de plantar e tempo de colher.

Oro para que as famílias que perdem seus amados (seja como as crianças e a professora heroína de Janaúba, os turistas em Vegas ou na esquina da nossa casa por conta de um assalto) que elas encontrem em Deus toda força necessária para seguir em frente, todo o consolo para o coração abatido e principalmente toda resposta para qualquer que seja a pergunta.

Deus abençoe sua vida e que você propague o amor de Deus por onde você for, não só com palavras, mas principalmente com ações.

Beijinhos no seu lindo coração e já contando os dias para o nosso próximo encontro.

Mommys na Estrada – Disney

Outubro é o mês das crianças e para comemorar essa data tão especial, escolhi falar do lugar mais mágico e divertido do planeta: Disney!!! Na verdade falaremos sobre Orlando em geral, numa série de 3 postagens pra lá de recheadas de dicas e relatos dessa Disneymaníaca assumida que vos fala!

Lugar Mágico

A cidade de Orlando fica no Estado da Florida, no condado de Orange. Famosa por suas atrações turísticas, Orlando é uma das cidades mais visitadas dos Estados Unidos e eles estão super preparados para essa demanda. Sua estrutura para o turismo é tão grande que a cidade possui mais de 100 mil quartos de hotéis e aproximadamente 26 mil residências de aluguel para férias. O turismo emprega cerca de 230 mil pessoas na região, com destaque para o grupo Disney World que possui 56 mil funcionários.

Existem inúmeras atrações na cidade, mas sem dúvida as mais famosas são os parques de diversão.

Realizar esse sonho de viagem não é fácil. Várias questões importantes estão envolvidas, principalmente as relacionadas ao financeiro e ao planejamento e acredito que com essa série de posts conseguiremos sanar a maioria das dúvidas e partir para a parte divertida do planejamento!

Sempre me perguntam:

  • Qual a melhor idade para a criança viajar para Disney?

Depende muito da criança, da família e do ritmo que desejam para essa viagem. Só os pais sabem se a criança irá suportar bem as longas horas de viagem, o batidão de percorrer até 18km por dia num parque, a mudança da alimentação e a rotina quase inexistente. Somente nós podemos saber se essa será a primeira de muitas idas do baby a Disney, ou se essa é a viagem sonho da família e que provavelmente não se repetirá tão cedo. Eu acredito que é uma viagem para qualquer idade, do bebê ao idoso, desde que seja bem planejada e que siga o ritmo da família. Cada viagem é diferente de acordo com o estilo das pessoas que estão indo.

  • Qual época do ano é ideal para visitar Orlando?

Mas uma vez terei que repetir, depende! Primeiro vale lembrar que a alta temporada por lá vai de junho a agosto (férias de verão) e da segunda quinzena de dezembro ao inicio de janeiro (recesso de fim de ano), além de feriados específicos como o Spring Break (março) e Thanksgiving (final de novembro). Tente se possível, fugir dessas datas, pois a lotação aumenta absurdamente. Ainda há a questão do clima. Orlando é uma cidade com o clima bem definido ao longo do ano: inverno, de outubro a março, com temperaturas baixas pouca chuva e verão, de abril a setembro, com temperaturas muito altas e bastante chuva. Vai do gosto e conforto de cada família escolher se deseja usar roupas leves, frequentar parques aquáticos, usar muito protetor solar e capa de chuva ou se a melhor opção é vestir roupas quentinhas, às vezes até luvas e gorros, andar quilômetros sem suar e pular as atrações e parques que molham!

  • Por onde começar?

Planejar uma viagem pra Orlando requer tempo e preparação. São muitos detalhes e dicas que podem fazer diferença em sua experiência na cidade mais divertida do mundo.

Escolhendo a data

O ideal é começar a planejar sua viagem com um ano de antecedência. Pode parecer exagero, mas algumas experiências podem ser agendadas 180 dias antes e as mais disputadas acabam logo. Para reservar a maioria das experiências é necessário já ter adquirido o ingresso do parque. Por se tratar de uma viagem cara, quanto antes começarem os planejamentos mais tempo terá para dividir o valor da viagem e juntar dinheiro antes da partida.

Escolhendo o vôo

Quando começo a pensar em uma viagem a primeira coisa que procuro são as passagens aéreas. Faço cadastro nos sites de busca e fico de olho nas promoções. Os sites que mais uso são WWW.skyscanner.com.br, WWW.decolar.com, WWW.kayak.com.brWWW.passagensimperdiveis.com.br e WWW.voopter.com.br.   Com crianças, prefira sempre vôos noturnos e de preferência com menor número de escalas possível. Infelizmente, Orlando não tem mais vôo direto partindo de BH, mas ainda existem ótimas opções saindo de outras cidades aqui perto. Dêem uma lida no meu primeiro post aqui no blog onde falo sobre aeroporto, bagagens e todas as dicas para viajar de avião com crianças.

Escolhendo o Hotel

Existem basicamente três tipos de hospedagem para escolher em Orlando. Os hotéis Disney, os demais hotéis e o aluguel de casas. Cada um tem suas vantagens e desvantagens que vou listar:

Hotéis Disney – Vantagens – a magia de sua viagem já começa na hospedagem (pensa em comer no café da manhã waffles do Mickey), transporte gratuito do aeroporto ao hotel e o contrário, transporte gratuito para os parques Disney (economia de U$20 por dia com estacionamento), Magic Band* gratuita, prioridade na marcação de Fast Pass**, dentre outros. Desvantagens – o preço é um pouco mais alto que os outros hotéis de mesma categoria, o complexo Disney fica em Lake Buena Vista (município vizinho a Orlando) e por isso, fica um pouco mais distante dos grandes shoppings e dos outros parques de Orlando.

Hotéis fora do complexo Disney – Vantagens – pode-se escolher o hotel por preço e localização que forem mais adequados a sua viagem. Desvantagens – é preciso cuidado e pesquisa pra saber sobre a segurança, (em Orlando acontece muito furto em hotéis), limpeza (pânico dos bedbugs) e serviços cobrados a parte (alguns hotéis cobram estacionamento).

Aluguel de casas – Vantagens – ideal para grupos maiores (preço e conforto), o fato de poder ficar a vontade pra cozinhar (para quem tem criança pequena é ótimo), reunir toda a família ao fim do dia (ao invés de cada um no seu quarto). Desvantagens – a maioria das casas de aluguel ficam em condomínios fechados em municípios vizinhos, segurança (não se compara a segurança de um bom hotel), limpeza e conservação (não são todas as casas que possuem limpeza incluída).

Hotel Disney’s All Star Movies

 Escolhendo as experiências

Agora começa a melhor parte do planejamento! Escolher quais parques visitar, o que mais quer fazer e quais as atrações a família deseja conhecer! Para isso é necessário um pouco de dedicação e pesquisa. Não tem como conhecer nada no mundo sem saber o mínimo o que esse lugar oferece. Vamos começar pelos principais parques.

  • A Disney World Resort em Orlando possui 4 parques temáticos e 2 parques aquáticos:

Disney’s Animal Kingdom – parque zoológico com temática voltada para o reino animal.

Magic Kingdom – é o parque mais conhecido, que abriga o famoso Castelo da Cinderela e toda magia Disney.

Disney’s Hollywood Studios – parque com temática de cinema.

Epcot – parque com temática futurista e que também abriga o World Showcase, um passeio por 11 pavilhões de países com toda sua cultura e gastronomia.

Thyphoon Lagoon – parque aquático com temática tropical.

Blizzard Beach – parque aquático com temática polar.

  • A Universal possui 2 parques temáticos e 1 parque aquático:

Universal Studios – parque temático com atrações dos principais filmes do estúdio.

Island of Adventure – similar ao irmão da mesma rede.

Volcano Bay – parque aquático que tem como tema as ilhas do pacífico e um grande vulcão como marco central.

  • A rede Sea World possui 2 parques temáticos e 2 parques aquáticos:

Sea World – parque zoológico de animais marinhos. Além de shows e interação com animais, o parque possui diversas atrações, dentre elas montanhas russas bem radicais.

Bush Gardens – parque zoológico na cidade de Tampa. Lar de atrações bem radicais.

Aquática – parque aquático onde o tema é o oceano pacífico, mais especificamente as praias da Austrália e Nova Zelândia.

Discovery Cove – parque super diferente que proporciona experiências inusitadas como, interação com animais marinhos, mergulho com snorkel e com escafandro. E tudo isso, numa ambientação que leva os convidados a acreditar que estão numa praia do Caribe.

  • A Lego possui 1 parque temático e 1 parque aquático de mesmo nome:

Legoland – parque com temática do famoso brinquedo Lego. Ideal para crianças até 10 anos. Possui também, parque aquático de mesmo nome e tema.

Os ingressos podem ser adquiridos de diversas formas, através dos portais dos próprios parques (pagamento no cartão em dólar + IOF), agentes de turismo (pagamento em real e geralmente divide) e em sites como Decolar, Submarino, TAM viagens, CVC dentre outros (pagamento em real e divide em várias vezes). Fique atento às promoções e descontos! Cada parque possui peculiaridades em seus ingressos. Explicarei mais quando falarmos de cada parque separado.

Disney Animal Kingdom

Agora vamos às compras.

Os principais Outlets de Orlando são o Premium da Vineland e o Premium da International Drive, ambos com boas marcas e preços (dependendo da cotação do dólar).

Os melhores shoppings são The Florida Mall, Disney Springs, The Mall at Millenia e Pointe Orlando com excelentes marcas e preço de shopping.

Além disso, existem as enormes lojas de departamento como Best Buy, Ross, Macy’s, Saks Fifth Avenue, Marshalls, TJ Max dentre outras, os supermercados, Walmart e Target e as farmácias Walgreens e CVS que são um sonho para quem curte compras.

Ufa… muita informação né? Ficamos aqui por hoje…

No próximo post falaremos sobre como fazer o roteiro e as reservas, aluguel de carro e muito mais.

*Magic Band é uma pulseira eletrônica onde você linka tudo sobre seus dias na Disney, desde seus ingressos, cartão de crédito para compras, Fast Pass agendados e fotos tiradas pelos profissionais. Serve também como chave para abrir seu quarto de hotel.

**Fast Pass é o “fura fila” da Disney. Um sistema onde você pode marcar as atrações que mais quer conhecer no parque e, na hora agendada, entrar numa fila especial bem menor e mais rápida.

 

Cheque Especial não é salário!!!!!!!

Quando visualizamos a nossa conta pelo Internet Banking ou quando tiramos um extrato, podemos perceber que temos a informação do saldo da conta corrente, saldo bloqueado, encargos, limite de cheque especial e saldo total disponível (não necessariamente nesta ordem e nem com estes nomes).

E vai chegando ao final do mês e vemos no saldo total disponível um valor bem maior que o verdadeiro e este valor pode variar de pessoa a pessoa e de banco para banco.

Este saldo total disponível é o crédito que o banco fornece chamado de Cheque Especial.

Ex.

Você possui um salário de R$1.000,00.

Os seus gastos mensais ficam exatamente R$1.000,00

O banco lhe forneceu um cheque especial de mais R$1.000,00

Assim, se você ganha R$1.000,00 e gasta R$1.000,00 terá no final do mês R$0,00, porém com o cheque especial o seu extrato mostrará que terá R$1.000,00 livres para utilização.

E chegar no final do mês e ver que ainda temos dinheiro para usar é bem tentador.

Peço bastante cuidado com este credito fácil que o banco fornece, basicamente o mesmo cuidado com o crédito do Cartão de Crédito (já citado em artigo neste blog).

Em agosto de 2017 os juros do Cheque Especial estavam em 317,3%. Juros altíssimos. Daremos exemplo do que estes juros podem representar.

Primeiro quero esclarecer o motivo destes juros: por ser um crédito de fácil acesso, o banco não tem a certeza e nem garantia de que você irá pagar por este empréstimo. Assim é cobrada uma taxa alta pelo risco que o banco corre.

Caso você precise utilizar o Cheque Especial é de grande importância que o valor utilizado seja quitado o quanto antes, senão a dívida se transformará em uma assustadora bola de neve.

Vamos ao Exemplo.

Sendo utilizados R$1.000, do Cheque especial, tal valor que é o limite do exemplo acima.

Se utilizou R$1.000,00 do Cheque Especial e recebeu de Salário os R$1.000,00 (como no exemplo) você teria quitado esta dívida certo? Errado!!!! Você ainda estaria no negativo, veja a matemática abaixo:

R$1.000,00 de cheque especial, aos juros atuais de 317,3% a.a., você estaria devendo ao banco no próximo mês R$1.135,30 (que são os R$1.000,00 mais os 13,53% a.m). Assim, quando você receber o salário a sua conta estará no negativo R$135,30.

Neste exemplo, se você não tiver renda extra, não conseguirá honrar todos os compromissos do próximo mês. E com isso a sua dívida estará bem maior que o seu recebimento.

Importante que tenhamos em mente que este crédito do Cheque Especial não é extensão do nosso salário

Ficar endividado pelo Cheque Especial é entrar num barco sem fundo, ou seja, sempre afundando a cada dia.

Algumas dicas para poder resolver os problemas com o cheque especial:

  • Vá até o banco e converse com o gerente, para saber a real situação da conta corrente. Neste momento, exponha a condição financeira atual e solicite uma negociação que possa caber no seu bolso;
  • Não tendo condições de ir quitar integralmente a dívida, solicite uma negociação com suaves parcelas mensais. Parcelas que possam caber no seu bolso. Para este caso, seria um empréstimo com um prazo bem extenso. Nunca é interessante ter uma negociação muito longa, mas temos que pensar neste momento em resolver o problema que possa caber no bolso. Se fizer uma negociação que não caiba no seu bolso estará gerando outra dívida;
  • Uma outra saída é a utilização do crédito consignado, já que nesta modalidade a taxa de juros é bem menor. A utilização do crédito consignado é a praticidade e segurança pela parcela ser deduzida diretamente da folha de pagamento;
  • Existe também a portabilidade de crédito, você pode transferir a sua dívida do Cheque Especial para outra instituição financeira que tenha os juros menores que os atuais. Esta portabilidade é de forma gratuita e você tem a liberdade de escolher um novo banco. Antes da portabilidade analise os prós e contras e os principais pontos a checar é a possibilidade de isenção do IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) e a redução do valor das parcelas
  • Caso você seja impulsiva para compras uma ação interessante é cancelar o Cheque Especial, já que negociar a dívida ou diminuir o limite de crédito não serão ações suficientes. O cancelamento pode auxiliar em relação as tentações e fugir de um endividamento maior.
  • Utilize verbas extras como o 13º, férias, abonos, gratificações para quitar as parcelas negociadas para poder sair o quanto antes desta dívida de cheque especial

 

É preciso fazer um grande esforço para pagar as dívidas e depois deste período você poderá respirar aliviada e sem pendências crescentes, ou seja, ter de voltas as boas noites de sonhos tranquilos

Espero que eu tenha ajudado entender um pouco sobre o Cheque Especial!

Problemas financeiros afeta diretamente a nossa saúde, nossos relacionamentos, nossas noites de sono, nosso apetite, nossa empolgação, nosso entusiasmo. Caso esteja passando por um problema destes, lembre-se: que você tem a solução nas mãos e talvez estas soluções serão um pouco dolorosas e outras nem tanto, mas o importante é que você tem uma solução.

 

Um forte abraço

 

Eu, o tricô e minha mãe

A vida moderna anda caótica. Trânsito, horário, agenda cheia, trabalho e família, quem se identifica levanta a mão! Em meio a esse caos, eu descobri o tricô.

O tricô é uma grande metáfora da vida: você começa com um fiozinho, vai tecendo e dando rumo. Oras fica torto; você vai lá e desfaz o que deu errado e refaz com mais capricho para dar certo. Ou não. Deixa assim mesmo. Oras fica lindo, você pega o jeito e segue tecendo se sentindo no caminho correto.

Minha mãe me ensinou tricô quando eu era pequena. Durante muitos anos, eu deixei as agulhas de lado. No início deste ano, resolvi retomar e fazer um cachecol mara para usar no inverno. Escolhi a cor e o ponto que usaria.

Eu tecia um pouquinho por semana. Pouquinho mesmo. Esse era meu ritmo. Mas… para minha mãe o ritmo estava errado. O cachecol não ficaria pronto a tempo do inverno. O ponto estava frouxo. Ia ficar torto. Minha mãe estava realmente preocupada.

Volta à metáfora da vida: qual pai ou mãe não se preocupa com o rumo da vida dos filhos? Qual pai ou mãe não acha que SABE o caminho certo para os filhos? Qual pai ou mãe não (cof cof) intromete na vida dos filhos?

E foi assim comigo. Minha mãezinha meteu a mão no meu tricô. Um belo dia, cheguei em casa e o cachecol estava todinho pronto. Ela estava aliviada, afinal eu teria o bendito cachecol para usar no inverno, com um ponto firme e sem buracos. Minha mãe estava feliz. Eu não.

Sem perceber e, com muito amor no coração, minha mãe pegou para ela o fio da minha vida e tentou resolver o problema. O problema que era m-e-u. Para mim, o mais interessante era o processo de fazer o cachecol. Para ela, o mais interessante era ver o cachecol pronto.

E é aí que eu saio do papel de filha e volto para o papel de mãe: quantas vezes eu me preocupo, tenho certeza que sei a resposta e intrometo na vida dos meus filhos? Quantas vezes eu ofereço o produto e atropelo o processo? Eu sei respeitar o tricô dos meus filhos?

Eu fiz outro cachecol para mim. E ele passou a simbolizar muito mais do que um simples adorno: agora ele simboliza as minhas escolhas e o respeito que elas merecem. Ele simboliza as escolhas dos meus filhos. E o respeito que elas merecem. Cada um tem um caminho. Torto ou reto. Cada caminhada é única e a beleza está justamente na singularidade!

*Reflitamos*

Que palavras tem saído da sua boca?

Nunca, em todo tempo, tivemos tanta liberdade em expressar nossa ideias e pensamentos. Com as redes sociais e o mundo tecnológico, emitir nossos pensamentos acerca de um determinado assunto ficou ainda mais rápido, fácil e abrangente.

Mas o que andamos escrevendo ou falando em nossas redes sociais ultimamente? Falamos sobre coisas boas ou más? Sobre bênçãos ou lamentações? Verdades ou mentiras? Palavras de vida ou de morte? De sabedoria ou discursos bobos?

Tudo que existe no mundo começou a existir pelo poder do dizer. Deus disse: que haja luz e a luz começou a existir e a partir daí o mundo inteiro veio a existência. Deus, quando nos constituiu, nos abençoou com a capacidade de expressarmos o que pensamos e sentimos através da linguagem, mas Ele mesmo nos alerta em incontáveis versículos da Bíblia sobre o quanto o uso do nosso dizer é perigoso.

Temos a capacidade de oferecer palavras de amor, carinho, gentileza, incentivo e sabedoria para as pessoas que nos cercam. Mas, infelizmente, também temos a capacidade de oferecer palavras de derrota, ódio, desânimo, desamor, raiva, tolices e fofocas para essas pessoas. Isso tudo depende de como falamos, o que falamos e de que ou quem falamos.

Em Provérbios 18: 21 fala que “A morte e a vida estão no poder da língua; e aquele que a ama comerá do seu fruto”. As nossas palavras podem nos levar a dois extremos: vida ou morte. As palavras que saem de nossas bocas e dedinhos (no caso das redes sociais) têm grande poder sobre a vida de quem se propõe a nos escutar e isso pode gerar coisas boas ou ruins.

“A árvore boa não dá frutas ruins, assim como a árvore que não presta não dá frutas boas. Pois cada árvore é conhecida pelas frutas que ela produz. Não é possível colher figos de espinheiros, nem colher uvas de pés de urtiga. A pessoa boa tira o bem do depósito de coisas boas que tem no seu coração. E a pessoa má tira o mal do seu depósito de coisas más. Pois a boca fala do que o coração está cheio.”
(Lucas 6:43‭-‬45)

Uma vez que a palavra sai da nossa boca ela nunca mais retornará de volta. Portanto, devemos tomar muito cuidado com as palavras que estamos lançando e plantando, pois vamos colher na mesma medida, afinal, as palavras proferidas nos mostram onde está plantado o nosso coração.

Cuide do seu coração, permita que Jesus preencha ele por completo, porque é de lá que procedem as palavras. Cuide para que saia da sua boca palavras de vida, palavras que abençoam, palavras de ânimo, palavras que edificam, palavras de amor, palavras de adoração à Deus e palavras de sabedoria. Use-as para profetizar inúmeras bênçãos sobre você, sua família e seus amigos.

Deus abençoe sua vida e seu coração! ❤

Beijinhos com carinho e até nosso próximo encontro.